PEIXES CONTAMINADOS POR MERCÚRIO

O mercúrio está presente na maioria dos
peixes da bacia amazônica
O uso do mercúrio em atividades de lavras garimpeiras é mais comum do que se imagina. E em algumas regiões do Brasil, principalmente naquelas onde falha acentuadamente a fiscalização pelas grandes distâncias e falhas , a presença do metal pesado acaba redundando em doenças de todos os tipos, sem que os intoxicados se deem conta da origem de seus males.
E o que se observa em algumas pesquisas é a detecção cada vez mais evidente de pessoas com males advindos do mercúrio. E a região Norte do Brasil é uma das mais afetadas.
As populações ribeirinhas do rio Negro, no norte do Amazonas, estão expostas à contaminação por mercúrio num nível superior ao tolerável à saúde humana, aponta estudo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.
A contaminação ocorre pela ingestão prolongada de peixes piscívoros, como tucunaré e piranha. Essas espécies concentram mais mercúrio porque comem outros peixes, também intoxicados.
Os sintomas incluem problemas neurológicos e perda da coordenação motora.
Maria Alberta do Nascimento prepara peixe em Barcelos, AM
A pesquisa foi feita em 2011 com mechas de cabelo de 50 pessoas, de 14 comunidades, e apontou uma concentração de mercúrio de 3,14 ppm (partes por milhão) a 58,35 ppm durante o ano. Os níveis mais altos foram registrados de novembro a maio, quando o consumo de peixes é maior.
A Organização Mundial da Saúde considera tolerável uma taxa de 50 ppm para a população em geral e 10 ppm para grávidas.
Segundo a bióloga Graziela Balassa, 32, autora do estudo, a situação das mulheres em idade reprodutiva é a mais preocupante: 85% delas apresentaram concentrações de mercúrio superiores a 10 ppm. “É um nível que aponta efeitos neurológicos em fetos”, afirma.
Balassa diz que são necessárias campanhas que orientem as mulheres a consumir menos peixes piscívoros durante a gestação e a amamentação. Ela defende a proibição de garimpos na bacia do rio Negro –a atividade foi regulamentada em junho pelo governo do Amazonas.
Maria Ivanete de Souza Andrade, 29, e Genizes da Silva Benfica, 34,
que moram em Bacabau, a duas horas de barco de Barcelos
O solo do rio Negro é naturalmente rico em mercúrio, mas o garimpo de ouro e a atividade industrial fazem com que as chuvas despejem três vezes mais metal no rio hoje do que há cem anos, segundo Bruce Forsberg, orientador do estudo.
Na água, bactérias transformam o mercúrio em sua forma mais tóxica, o metilmercúrio, iniciando um processo de contaminação que atinge micro-organismos, plantas e peixes.
A reportagem visitou 3 das 14 comunidades pesquisadas e constatou que peixes piscívoros são consumidos do café da manhã ao jantar.
A índia baniua Maria Ivanete Souza Andrade, 29, tem dois filhos e cedeu mechas para o estudo. “A alimentação que a gente tem é peixe, é difícil comer carne.”
Em Bacabau, a duas horas de barco de Barcelos, no rio Araçá, o agente de saúde Evanildo Martins, 49, não sabe quais os danos do mercúrio à saúde nem como tratar pessoas contaminadas. A última vez que um médico passou por lá foi em 2006.
Em Samaúma, no rio Demini, a professora baniua Marinete dos Santos, 41, mãe de quatro filhos, se diz assustada. “Se tem mercúrio na água e no peixe, também contaminou a gente.”
Fonte: Katia Brasil da Folha de São Paulo – Edição de 02.10.12
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *