PRA ACABAR COM O LIXO PLÁSTICO

untitled

Muitos animais estão morrendo por causa do plástico

O destino que damos ao plástico pode ser considerado um grande problema ambiental. Isso porque além de abarrotarem os lixões e aterros sanitários no continente, esses derivados do petróleo também são um incômodo para a vida marinha. Sabe-se que existem pelo menos 5 trilhões de peças plásticas nos ocenanos de todo o planeta, totalizando 250 mil toneladas. Mas há algumas áreas específicas em que o problema é especialmente mais preocupante.

É o caso da “Great Pacific Garbage Patch”, localizada ao norte do Oceano Pacífico, entre a costa oeste dos EUA até o Japão. A área, descoberta em 1997, faz jus ao título de “depósito de lixo gigantesco”, concentrando boa parte do plástico que dispensamos nos oceanos.

BOYAN

A invenção de Boyan Slat para capturar plástico

Lá, os detritos chegam a formar ilhas de lixo, em que se pode até mesmo andar a pé. Isso é possível porque as correntes marítimas convergentes que atuam na região se movimentam em círculos, causando enormes “redemoinhos”. Assim, o lixo que é descartado em várias partes do planeta acaba parando no mesmo endereço. O resultado são prejuízos gigantes para a vida nos oceanos. Essa cobertura  impede a fotossíntese de organismos marinhos e mata a fauna que ingere as peças plásticas por engano.

Embora não pareça, há gente tentando mudar esse cenário. E a ideia mais promissora atualmente vem de um jovem de 22 anos. Boyan Slat é um ambientalista holandês e criador da Ocean Cleanup Foundation. Sua empresa, que já conta com 65 pessoas, tem uma proposta um tanto ousada: retirar metade do plástico da Great Pacific Garbage Patch em um período de cinco anos.

BOYAN2

Boyan Slat, o jovem que decidiu combater o plástico

Como? Cercando o lixo em alto mar com barreiras gigantes, feitas de polietileno de alta densidade. Seu formato lembra aqueles macarrões usados como bóia em piscinas –como se fosse um “U”, só que mais aberto. Resistentes e maleáveis, as estruturas são perfeitas para o trabalho: firmes o suficiente para não deixar escapar nenhum pedaço de plástico, e móveis o bastante para serem levadas de um lado para o outro pelas próprias águas do Pacífico.

Já que os oceanos são um tanto infinitos e cheios de correntes marítimas, represar os plásticos significa reduzir o trabalho que sair catando cada pedaço pelo oceano demandaria. Concentrados em um só local, os detritos podem ser tranquilamente recolhidos com a ajuda de barcos, que passarão pelas áreas de plástico represado periodicamente – uma vez por mês, provavelmente.

Ok, até aí, nada de muito inovador. A técnica de cercamento já é conhecida, e utilizada inclusive na própria tarefa de conter detritos despejados no mar, como manchas de óleo. O “pulo do gato” é a independência que essas barreiras possuem para navegar os sete mares: elas não precisam ficar presas no fundo dos oceanos. Ao invés disso, as âncoras que as mantém flutuando ficam soltas, boiando em águas mais profundas – acercade600 metros da superfície.

Fonte: Revista Superinteressante – 19/05/17

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *