O VÍRUS EBOLA À SOLTA

A epidemia vem da África e se espalha pelo mundo
Às vésperas de fazer mil mortos e com a OMS (Organização Mundial da Saúde) conclamando um alerta global, o maior risco que o Ebola oferece agora é o de ampliar aquilo que já é uma tragédia humanitária de saúde na África subsaariana. Mais uma, como se não bastassem Aids, Malária, Tuberculose e qualquer doença que prospera em terras sem acesso à saúde básica.

ISOLAMENTO

Enquanto muita gente no mundo desenvolvido acha que o Ebola tornou a África Ocidental um câncer que deve ser isolado do resto do planeta, pouca gente se dá conta de que, na verdade, aqueles países já estão economicamente isolados há muito tempo. E isso é algo que está colaborando para a doença se disseminar, e não para detê-la.

Uma doença altamente letal e de pouco controle
Uma das coisas mais importantes a se fazer agora é rastrear o caminho feito pelo vírus para identificar quem entrou em contato com cada um dos doentes. Isso tem esbarrado, por exemplo, em barreiras sociais, como a desconfiança que povoados em Serra Leoa, Guiné e Libéria têm em relação a missionários estrangeiros.

Lá, comunidades que normalmente não têm nenhum tipo de assistência a saúde, começaram de repente a receber equipes de médicos estrangeiros. Só que ali, onde o pânico realmente se justifica, ninguém quer falar com ninguém. Grupos locais desconfiam desse súbito interesse dos países ricos com a saúde dos africanos, talvez com algum fundo de razão. Às vezes, em vez de ajudar os médicos, eles barram sua passagem.

Teria a história sido diferente se essas pessoas tivessem acesso regular a cuidados básicos de saúde? Sem saber se os estrangeiros chegaram a esses vilarejos antes ou depois dos vírus, não me parece tão incrível que pessoas sem acesso a informação desconfiem que são os médicos que espalham o Ebola. Na África ocidental, um lugar mais densamente povoado e com mais infraestrutura do que a área de epidemias passadas, os boatos correm rápido. E eles sempre correm mais rápido que as informações corretas.
Os cuidados básicos de saúde poderiam reduzir
a epidemia?

NEGLIGÊNCIA

O Ebola raramente é citado nas listas de “doenças negligenciadas”, mas é isso que ele é. Ele causa uma febre hemorrágica aguda, com surtos esporádicos, que afeta apenas uma região extremamente pobre do globo. Não importa que o vírus seja letal. Qual laboratório farmacêutico teria interesse em desenvolver uma droga para tratar uma doença nessas condições, sem nenhuma perspectiva de grande lucro?

O Zmapp parece ser realmente uma boa notícia (a ver; dois casos positivos não são ainda suficientes para provar a eficácia da droga). Mas até a semana retrasada, esse tratamento ainda era uma iniciativa modesta tocada por uma start-up obscura. Ele e outras drogas experimentais vêm se mostrando promissores desde 2009, então por que não havia ainda planos sérios para um teste clínico?

Os laboratórios resistem a desenvolver medicamentos
para doenças com pouca lucratividade
Com relação aos reservatórios da doença, desde 2005 já existem evidências fortes de que são os morcegos. Por que as pesquisas são tão poucas? Por que não existe ainda um sistema de vigilância para esses animais, como aqueles que monitoram a gripe aviária em pássaros migratórios?

A resposta para isso tudo é quase evidente: porque o lar do Ebola é a África, e o palco da catástrofe é distante de nações desenvolvidas, ainda que a OMS tenha subido o tom de alerta. Na África, as mortes por malária superam os 520 mil: mais de uma criança morre a cada minuto em razão da doença. A prevalência do HIV em muitos países ali supera os 10% da população, e muitos soropositivos têm tuberculose, com uma taxa anual de 250 novas infecções por 100 mil/ano.

Donald Trump não precisa se preocupar: essa tragédia humanitária não vai ser exportada para os EUA. Nem o Ebola. A catástrofe que estamos vendo, ao que parece, continuará sendo uma catástrofe do continente africano, e seu espalhamento epidêmico tem muito a ver com as condições de vida ali.

Fonte: Folha de São Paulo – edição 11.08.14

Quem é o Técnico em Enfermagem?


É o profissional que atua na promoção, prevenção, recuperação e reabilitação dos processos saúde-doença. Colabora com o atendimento das necessidades de saúde do paciente, família e comunidade, em todas as faixas etárias. Desenvolve ações de educação para o auto cuidado, bem como de segurança no trabalho e de biossegurança nas ações de enfermagem. Promove ações de orientação e preparo do paciente para exames. Realiza cuidados de enfermagem, tais como: curativos, administração de medicamentos e vacinas, nebulizações, procedimentos invasivos, mensuração antropométrica e verificação de sinais vitais, dentre outros. Presta assistência de enfermagem a pacientes clínicos e cirúrgicos em qualquer fase do ciclo vital. Participa de uma equipe multiprofissional com visão crítica e reflexiva, atuando de acordo com princípios éticos. 


A UNIPACS é parceira do PRONATEC e oferece Bolsas nos Cursos Técnicos nas unidades de Esteio e Taquara.

Peça mais informações pelos telefones (51) 3473-0178 para Esteio e (51) 3541-2441 para Taquara. 
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *